Quando Cristóvão Colombo chegou à América de Cadillac

    «Estou certo do que todas estas coisas contadas serão ainda serão mais maravilhosas que para as quem viu”» Cristóvão Colombo Estava um belo dia solarengo naquele paraíso terreno. As moçoilas nativas vieram-no receber alegres e sem malícia nas suas nudezas. Consta que Colombo não se perturbou com a chuva que se fazia sentir […]

Pêre Ubu

Max Ernst, Ubu Imperator, 1923, Musee National d’Art Moderne, Centre Pompidou, Paris, France Je fus pendant longtemps ouvrier ébéniste,Dans la ru’ du Champ d’Mars, d’la paroiss’ de Toussaints.Mon épouse exerçait la profession d’modiste,Et nous n’avions jamais manqué de rien. –Quand le dimanch’ s’annonçait sans nuage,Nous exhibions nos beaux accoutrementsEt nous allions voir le décervelageRu’ d’l’Échaudé, […]

A geometria não-euclidiana de Henry Poincaré (o Monstro das matemáticas) e as brincadeiras patafísicas de Marcel Duchamp

Photograph of Marcel Duchamp and Eve Babitz at the Pasadena Retrospective in 1963-Courtesy of Mme. Jacqueline Matisse Monnier. Photo © 1963 Julian Wasser “Most striking at first is this appearance of sudden illumination, a manifest sign of long, unconscious prior work. The role of this unconscious work in mathematical invention appears to me incontestable.” “We […]

James Ensor

«Quando terríveis acontecimentos assolavam as cidades, os presságios devoravam os sudários dos mortos e lançavam gritos agudos como os porcos quando comem»*. James Ensor(1860-1949), Máscaras enfrentando a Morte, 1888 *Christian Friedrich Germann (1640-1708), De Miraculis Mortuorum, Leipzig, Kirchner, 1670.

Sem aprioris

«Toda a vontade do pintor deve ser o silêncio. Ele deve fazer calar todas as vozes dos preconceitos, esquecer, esquecer, fazer silêncio. Então, sobre a sua tela sensível, toda a paisagem se inserirá». Cézanne Retocar o real com o real «Les couleurs, écoutez un peu, sont la chair éclatante des idées de Dieu. La transparence […]

Nevermore

Lou Reed, The Raven Litografia de Odilon de Redon (1840-1916)inspiradas em Allan Poe O Simbolismo «Inimiga do ensino, da declamação, da falsa sensibilidade, da descrição objectiva, a poesia simbolista pretende agarrar a Ideia de uma forma sensorial, a qual, contudo, não é fim em si mesma, mas enquanto servir para exprimir uma ideia, será o […]